Outras Notícias

Veja os Comentários


25/10/2003-09:51:31
WCT
 

A poucos dias do início do maior evento de surf do Brasil, o Nova Schin Festival WCT Brasil, batemos um papo com Xandi Fontes e Avelino Bastos, organizadores do evento, enquanto eles checavam o andamento da montagem do palanque na praia da Joaquina, em Florianópolis (SC).

Por ser um evento importante e inédito no Estado, e ainda por cima móvel, surgem várias dúvidas em relação à organização.

Nesta conversa, Xandi e Avelino esclarecem alguns detalhes dessa mega operação.

Já que o evento será móvel, como o público ficará sabendo em qual praia vai rolar o campeonato, ou se foi cancelado, transferido ou adiado? Conte alguns detalhes sobre a logística desse mega evento.


Xandi Fontes - O campeonato terá um período de nove dias de espera para escolhermos os quatro ou cinco melhores dias de ondas. A sede principal, onde está a maior estrutura e onde serão tomadas todas as decisões, será na praia da Joaquina. Os surfistas participantes ficarão hospedados no Cabana's Hotel, na praia Mole, e o pessoal de imprensa e staff ficam no Joaquina Beach Hotel, na praia da Joaquina. Todos os dias vamos verificar as condições do mar para saber onde o evento será realizado. Essa decisão será tomada na madrugada que antecede o início do evento, pois temos informantes nos principais pontos para onde a prova pode ser deslocada. Esses pontos são: praia da Joaquina e Campeche, localizados na ilha de Florianópolis; praia da Guarda, praia do Silveira (com estrutura fixa montada); praia da Vila (Imbituba) e praia de São Francisco do Sul. Como o evento é 100% móvel, temos toda estrutura necessária pronta dentro de uma carreta de um caminhão. Contamos com um sistema hidráulico que formará uma segunda torre para os juízes, com ar condicionado, área VIP, sala de imprensa, além de barracas e tendas que acompanham o evento.

Praias como São Francisco do Sul e da Vila estão localizadas a mais de uma hora de Florianópolis. Como acontecerá a divulgação sobre as possíveis mudanças de pico para que o público também possa acompanhar a competição?

Xandi Fontes - Com uma decisão tomada na madrugada, o caminhão partirá para a iniciar a montagem no local escolhido. Aí, começa o sistema de informação para o público em geral. Essas informações começarão a correr na praia, na TV (a rede RBS dará total cobertura com flashes em sua programação), nas rádios por intermédio de boletins do Raposão, Pena e Maurio Borges, e também no Waves.Terra. Outra opção para manter a galera informada será o hot line, um número de telefone para informar tudo sobre o evento e suas condições. No caso de levar o evento para outro local, vamos oferecer transporte para imprensa, atletas e staff.

Como será montado o esquema de segurança da competição?

Xandi Fontes - João Henrique Blasi, secretário de Estado, Justiça e Defesa do Cidadão, disponibilizou toda infra-estrutura de Polícia Militar e Civil necessária. Faremos uma reunião com o alto-comando da polícia para traçar um plano de segurança para o evento, envolvendo estacionamento, hotéis e praias. E vamos também tentar ordenar o trânsito. Pois a praia da Joaquina, por exemplo, só tem uma rua de acesso.

Quais os critérios para fornecimeto de credencial?

Xandi Fontes - Receberão credenciais os atletas participantes, convidados, staff do evento, segurança, imprensa cadastrada por intermédio de nossa assessoria de imprensa, patrocinadores e convidados dos patrocinadores. Além de outras pessoas que consideramos importantes. O credenciamento será todo informatizado na entrada da competição. Vale lembrar que existe um limite de ocupação na área do palanque, determinado pelos bombeiros, de acordo com a estrutura montada.

Todos os Tops 45 estão confirmados? Quais atletas não participam?

Xandi - A última baixa que tivemos foi a do Pat O'Conell, que se contundiu seriamente na Espanha e não poderá vir. Nathan Webster está com a tíbia e o perônio quebrados; Sunny Garcia não está competindo desde o início do ano; e o Shane Dorian parou de competir. Estamos aguardando a confirmação do C.J. Hobgood, que caiu de moto.

Como vocês vêem o fato de o patrocinador principal da competição ser uma marca de bebida alcoólica? Como será a relação entre bebida alcoólica e o esporte?

Avelino Bastos - Não vejo problema algum. Atualmente, a patrocinadora do Circuito Mundial é uma marca de cerveja australiana, a Foster. Não vejo problemas de acidentes com bebida alcoólica no surf, mesmo porque ninguém entra na água bêbado! Acho muito pior patrocinadores desse tipo, por exemplo, na Fórmula 1, onde bebida e direção jamais deram certo.

Xandi Fontes - Hoje qualquer pessoa, incluindo os atletas, é proibida de beber ou fumar na área reservada à parte técnica e atletas. Na área VIP, será permitido bebida aos convidados de forma moderada.

Este evento é um sonho de vocês, do Teco Padaratz e de nós atletas. Como está a expectativa em relação a este sonho? Qual a sensação de estar aqui em cima do palanque recém-contruído, a um passo desse sonho?

Avelino Bastos - Sabe quando vem aquela onda grande mesmo? Na hora você começa a descer e não tem mais volta, né?! Você tem que se concentrar no que vai fazer, no próximo passo. Agora, o próximo passo é entregar o evento corretamente, não só para o surfista profissional, mas para todos. A "estrela" do campeonato é que ele foi feito de surfista para surfista e com isso queremos resgatar para a Joaquina - sendo uma das praias mais constantes para campeonatos de surf no mundo - os méritos e créditos que essa praia tem. Essa é a realização do sonho de fato.
Xandi Fontes - Esse é o sonho de três surfistas: Teco, com 15 anos de circuito mundial; Xandi Fontes, que atuou 10 anos como juiz do quadro principal da ASP; e Avelino Bastos, com 30 anos de experiência no mercado surf. Por isso, repito que será um campeonato de surfista para surfista.

Deixem um recado para a galera.

Xandi Fontes e Avelino Bastos - Estamos também tentando resgatar os grandes festivais da década de 70, com muito surf e muita música. Os shows rolam no parque do Planeta Atlântica, entre os dias 31 de outubro e 01 de novembro. O objetivo do patrocinador do campeonato não é que Florianópolis se transforme naquelas festas de loucura que começam tarde, tipo raves. Muito pelo contrário, eles querem investir em festas saudáveis, que todos bebam cerveja num tom de curtição, e não de loucura. O lazer, os shows, começam cedo, por volta das 20 horas. O show realmente será durante o dia dentro da água. Contamos com a presença e colaboração de todos. Valeu!

Gostaria de pedir para que todos participem e colaborem para que o evento arrebente. O sucesso não será somente para os organizadores, mas sim para o sucesso do surf em Santa Catarina. Faça sua parte!
 

--> Inclua seu comentário <--


 


COMENTÁRIOS