Outras Notícias

Veja os Comentários


23/01/2007-20:43:53
Ecologia
 

A limpeza da praia de Tabatinga (litoral sul do Rio Grande do Norte) no último sábado, ação piloto do Movimento Onda Limpa RN, recolheu em 2h de trabalho 200kg de lixo reciclável que poluía a praia. O movimento contou com a participação de 150 voluntários, que percorreram 2,5km da praia em busca de plástico, madeira, isopor, metal, papel, vidro e tecido. Dentre os voluntários estavam 60 crianças e adolescentes da Fundação Calunga, que oferece inclusão social aos futuros surfistas da Vila de Ponta Negra, comunidade carente de Natal.

Para os que esperavam encontrar pouco lixo em Tabatinga, praia relativamente distante da zona urbana, a surpresa foi enorme. "Teríamos recolhido ainda mais lixo caso ficássemos mais tempo na praia", revela Vinícius Lima, coordenador da coleta e membro da ONG cearense Aquasis, que tem vasta experiência em projetos de preservação da faixa costeira. "Nosso objetivo não é limpar a praia em apenas um dia, mas vai criar a consciência nos voluntários e mostrar aos que freqüentam a praia a importância da preservação", completa. "O lixo era tanto que teríamos que ficar a tarde inteira para limpar o todo o trajeto do Onda Limpa", lembra uma das organizadoras do evento, a estudante de ecologia, Karinne Reis.

O trajeto de 2,5km tinha como base a lanchonete Natural do Beto, fazendo a limpeza em duas frentes e sete grupos de limpeza organizados de acordo com o material a ser coletado. Uma frente se dirigiu às falésias e o outra em direção às casas dos veranistas. Para ambos os lados o que mais poluía era o plástico. Foram recolhidos 150kg do material no percurso, o que denota a falta de cuidado dos freqüentadores da praia quanto à destinação do material. Fato que também chamou atenção é a falta de orientação que as crianças recebem dos pais para a preservação. Foi recolhida e catalogada uma grande quantidade de embalagens de picolé, sacos de pipoca e de biscoito, itens ligados diretamente ao consumo infantil.

Do outro lado estavam as crianças da Fundação Calunga, que tiveram um dia diferente. Munidos de luvas e bastante protetor solar, elas receberam aplausos dos veranistas e lições práticas de preservação, ajudaram a limpar a praia, ambiente que tanto gostam e de ainda participaram do sorteio de duas pranchas de surf. "Esta lição só se aprende na prática. Essas crianças têm agora outra dimensão da importância da praia", afirma o surfista e empresário potiguar, Aldemir Calunga, conhecido e reconhecido internacionalmente como um dos melhores surfistas brasileiros.

O material recolhido foi catalogado e serve de base para um estudo do ciclo do lixo no período da alta estação nas praias do RN. Após catalogar os resíduos, o movimento contou com o apoio da Prefeitura de Nísia Floresta para a destinação do lixo às cooperativas de catadores.

O Onda Limpa RN é uma idealização de um grupo de empresários, estudantes e surfistas freqüentadores das nossas praias atentos ao nível de degradação que expõe a faixa costeira do nosso estado. A idéia do movimento é transmitir a mensagem do cuidado com o meio-ambiente, buscando conscientizar a sociedade levando-a ao front para que possa conhecer de perto o prejuízo que vem causando. “Colocar a mão na massa”, recolher o lixo e participar de movimentos culturais alinhados com a causa, transforma cada participante em agente multiplicador, passando adiante a idéia de preservação.

Contato
Thiago Procópio – Assessor de Imprensa > 55-84-9986-2751
 

--> Inclua seu comentário <--


 


COMENTÁRIOS